Membros / Amigos

Conheça mais de nossas Postagens

Research - Digite uma palavra ou assunto e Pesquise aqui no Blog

Carregando...

sábado, 12 de setembro de 2015

A organização de uma Igreja local - A Igreja e o seu testemunho

Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei” Tito 1.5

A organização de uma igreja local
Segundo os estudiosos, a epístola do apóstolo Paulo a Tito foi escrita aproximadamente no ano de 64 d.C., e provavelmente, foi redigida na Macedônia, uma província que fazia fronteira com a Grécia. Por certo, a carta foi escrita no tempo em que Paulo estava sob a custódia dos soldados romanos.

Nesta epístola, podemos dizer que há pelo menos quatro assuntos principais ensinado pelo apóstolo Paulo:
(1) O ensino sobre o caráter e as qualificações espirituais necessárias a todos os que são separados para o ministério na igreja — isto é, “homens piedosos”, “de caráter cristão comprovado” e “bem sucedidos na direção da sua família” (1.5-9);
(2) estímulo a Tito para ensinar a “sã doutrina”, repreender e silenciar os falsos mestres (1.10—2.1);
(3) descrição de Paulo para Tito do devido papel dos anciões (2.1,2), das mulheres idosas (2.3,4), das mulheres jovens (2.4,5), dos homens jovens (2.6-8) e dos servos (2.9,10) na comunidade cristã em Creta;
(4) por último, o apóstolo enfatiza que as boas obras e uma vida de santidade a Deus são o devido fruto da fé genuína (1.16; 2.7,14).

Mediante essa lista de requisitos, notamos o quanto é importante que, em primeiro lugar, quem se sente vocacionado para um chamado ministerial, acima de tudo, seja reconhecido pela Igreja de Cristo. O ministério na vida de uma pessoa não é algo oculto, ou de conhecimento apenas para quem o deseja, mas é manifesto, reconhecido pela comunidade local a quem ele serve. O ministério de Deus na vida de um vocacionado também não é confirmado por uma só pessoa, mas confirmado e aprovado pela Igreja de Cristo reunida naquela comunidade local. O ministério vocacional de um escolhido por Deus, que ama o Senhor acima de todas as coisas, tem de ser reconhecido pelo Corpo de Cristo, a igreja local.
Mas é preciso a igreja local saber discernir "quem é" de "quem não é" vocacionado para o ministério. Para isso, o nosso Deus manifestou a sua vontade nas Escrituras por intermédio do apóstolo Paulo sobre as características de como deve ser uma pessoa vocacionada para o santo ministério. A Igreja de Cristo não pode se furtar dessa responsabilidade, pois segundo a herança da tradição da Reforma Protestante: não há um sacerdote como representante de Deus para o povo; muito pelo contrário, em Cristo, todos somos sacerdotes, a nação santa e o povo adquirido para propagar o Evangelho. Revista Ensinador Cristão

A igreja local deve subordinar-se à orientação de Deus, através de sua Palavra, que é o “Manual de Administração Eclesiástica” por excelência.

“Tito, como 1 e 2 Timóteo, é uma carta pessoal de Paulo a um dos seus auxiliares mais jovens. É chamada de ‘epístola pastoral’ porque trata de assuntos relacionados com ordem e o ministério na igreja. Tito, um gentio convertido (Gl 2.3), tornou-se íntimo companheiro de Paulo no ministério apostólico. Embora não mencionado nominalmente em Atos (por ser, talvez, irmão de Lucas), o grande relacionamento entre Tito e o apóstolo Paulo vê-se:
(1) nas treze referências a Tito nas epístolas de Paulo,
(2) no fato de ele ser um dos convertidos e fruto do ministério de Paulo (Tito 1.4; como Timóteo), e um cooperador de confiança (2Co 8.23),
(3) pela sua missão de representante de Paulo em pelo menos uma missão importante a Corinto durante a terceira viagem missionária do apóstolo (2Co 2.12,13; 7.6-15; 8.6,16-24), e
(4) pelo seu trabalho como cooperador de Paulo em Creta (1.5)”
(Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD, 1995, pp.1886-87).

A epístola de Paulo a Tito demonstra com vigor as qualificações honestas para quem se pretende pastor.

Vamos estudar sobre a terceira carta pastoral de Paulo, destinada a Tito. Se Timóteo foi encarregado de transmitir ensinamentos, exortações e mensagens a uma igreja que sofria os ataques dos falsos mestres, Tito teve missão semelhante, porém com uma incumbência a mais, que foi a de estabelecer presbíteros, “em cada cidade”, pondo “em ordem” coisas que deveriam ser bem organizadas e estabelecidas. Paulo demonstra, na carta a Tito, que não era apenas pregador, ensinador e “doutor dos gentios”, mas, também, um administrador eclesiástico de larga visão ministerial.

Ele sabia avaliar as necessidades da obra do Senhor. E orientou Tito para que selecionasse obreiros cristãos, que podiam ser separados ou consagrados a presbíteros, como líderes que ficariam encarregados da direção de novas igrejas, “de cidade em cidade” (Tt 1.5). Dessa designação é que as igrejas em geral entendem que o cargo ou função de presbítero deve ser local, sendo suscetível de reconhecimento ministerial por parte de outras igrejas. Chama a atenção, mais uma vez, nas cartas pastorais, o cuidado de Paulo quanto às qualificações a serem exigidas para o exercício das funções ministeriais, em especial, no caso dos presbíteros.

São funções ministeriais idênticas às que constam de 1 Timóteo 3.1-7, em que Paulo fala a Timóteo para que observe tais requisitos, na administração eclesiástica da igreja em Éfeso. Esse detalhe mostra que as três epístolas pastorais formam de fato uma unidade de pensamento e de finalidade, pois têm a mesma autoria. Nessas cartas, as orientações são aplicáveis à administração eclesiástica, nas igrejas locais, em todos os tempos e lugares. Por não serem observadas, nos dias presentes, em muitos ministérios é que têm ocorrido sérios problemas organizacionais e de relacionamento entre obreiros.

A lista de qualificações, constantes de Tito 1.6-8, corrobora o extraordinário discernimento que Paulo teve, como nenhum outro apóstolo, com relação aos requisitos para ser um presbítero, um bispo ou um pastor. A organização eclesiástica deve começar com a organização ministerial. E esta se faz com obreiros primeiramente chamados por Deus de forma convincente (2Tm 2.15). A observância das qualificações bíblicas para o ministério evita a “consagração” de obreiros oportunistas ou aventureiros, que se servem da igreja em lugar de servirem à igreja. Em segundo lugar, com o preparo desses obreiros para assumir as grandes responsabilidades da Igreja, através das igrejas locais. O século XXI apresenta desafios muito maiores para o exercício pastoral do que em qualquer outra época da História.

Na introdução da carta a Tito, vemos que, a exemplo do que disse acerca de Timóteo, Paulo também teceu comentário sincero e reconhecedor do valor do destinatário, como obreiro fiel, fruto do seu abnegado ministério de evangelização e missões: “a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador” (Tt 1.4). Tito era amigo de longa data. De origem grega, foi companheiro de Paulo, ao lado de Barnabé, desde que começou de fato seu trabalho, após ter o apoio dos líderes da Igreja, em Jerusalém (G1 2.1-9).

I - ORGANIZAÇÃO DA IGREJA E ESCOLHA DOS OBREIROS
1. Resultado de uma Viagem Missionária
“Em sua carta a Tito, Paulo mostra que é um verdadeiro pastor e líder, chamado por Deus (1Co 1.1; G11.1), e tem cuidado das igrejas que fundou em suas viagens missionárias. E diz para seu discípulo: ‘Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei’ (Tt 1.5). De acordo com o entendimento da época, a igreja local deveria ter à frente um obreiro experiente e de mais idade. Que fosse um ancião, Um jovem obreiro pode ter muito conhecimento bíblico e até muita unção de Deus. Mas a experiência só se consegue com o tempo, com o passar dos anos (Jó 32.7)”.1 O texto indica que Paulo estivera em Creta, em uma de suas viagens missionárias, em companhia de Tito, cumprindo a sua tarefa de pastor e bispo, ou supervisor da obra de evangelização, em ocasião diferente da viagem em que sofreu terrível naufrágio e foi salvo pela bondade de Deus (ver At 27.8).

Em sua visita à famosa ilha, Paulo percebeu a necessidade de deixar ali, como obreiro supervisor, o seu discípulo amado, Tito, que sempre lhe fora fiel e disponível para ajudar na obra. Sabedor de que um pastor ou missionário não pode fazer tudo nem atender a todas as igrejas por ele fundadas, Paulo escolheu Tito para prosseguir o trabalho por ele iniciado. Ao que tudo indica, a viagem a Creta deve ter ocorrido após a sua saída da prisão, no primeiro encarceramento, que durou dois anos (At 28.30), e sua última prisão, que resultou em sua morte. A carta a Tito, portanto, deve ter sido escrita antes de 1 Timóteo.

Com a incumbência confiada por Paulo, Tito tornou-se uma espécie de supervisor missionário, com autoridade delegada para visitar, acompanhar e avaliar todos os trabalhos abertos, nas diversas cidades da ilha. Uma providência ministerial de grande valor, pois muitos trabalhos missionários são abertos, em lugares diversos no mundo, e não são avaliados por uma supervisão efetiva.

2. Colocando em Ordem as Atividades na Igreja
As necessidades de organização das igrejas, na época de Paulo e de Tito, eram bem prementes. A obra do Senhor estava crescendo, e certamente distorções, dificuldades e transtornos eram observados pelos supervisores da obra. Mas aquelas atividades eram idênticas às que são observadas hoje nas igrejas locais. Estas podem ser resumidas, pela ordem de importância e prioridade, nas seguintes ações:

1) Evangelização e discipulado
Essas atividades não são “modernas”, mas sempre foram desenvolvidas, desde os primórdios das igrejas locais. Por meio da mensagem do evangelho, as pessoas aceitavam a Cristo como seu Salvador, mas precisavam de ensino apropriado à sua condição de novos convertidos para se tornarem discípulos de Jesus. Paulo dava muito valor ao discipulado. Ele ficou um ano e meio em Corinto, “ensinando entre eles a palavra de Deus” (At 18.11). Em outra viagem, passou “sucessivamente pela província da Galácia e da Frigia, confirmando a todos os discípulos” (At 18.23). Tito tinha a missão de reforçar as atividades de evangelização, discipulado e integração dos irmãos nas igrejas por onde ele passava, com autoridade delegada pelo apóstolo supervisor.

2) Adoração a Deus
Depois da conversão, vem a adoração. Logo em seus primeiros passos, o novo discípulo precisa ser ensinado e levado à adoração sincera a Deus. Naturalmente, na época de Paulo, não havia hinários cristãos à disposição dos crentes. Eles louvavam a Deus, certamente, utilizando o saltério, ou os cânticos dos salmos que, em sua maioria, são adequados para louvar a Deus, em todos os tempos, e em todos os lugares, pelo mundo afora. Mas Paulo era um adorador por excelência. E incentivava o cântico e o louvor nas igrejas por onde passava ou para quem enviava suas epístolas: “falando entre vós com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Ef 5.19). Na organização e funcionamento das igrejas, em Creta, não poderia ser diferente. Tito teria que lembrar aos irmãos o valor da adoração a Deus.

3) Ensino e educação cristã
Estabelecer igrejas significa não apenas inaugurar um edifício, ou mesmo dar início a uma comunidade cristã, num determinado local. Significa reunir pessoas que se tornam cristãs, congregá-las num local, ainda que sem melhores estruturas físicas, para ministrar-lhes o ensino da Palavra de Deus. Paulo enviou Tito a Creta para ensinar as igrejas locais e os líderes que haveria de estabelecer, dando destaque ao ensino da Palavra de Deus. Sem ensino fundamentado na Palavra de Deus, nenhuma igreja pode sustentar-se firme na Rocha dos Séculos.

4) Integração entre os irmãos
Uma das características da igreja em seus primórdios era a união e a comunhão entre os crentes. “Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum” (At 2.44). Não havia apenas reunião entre os primeiros cristãos, mas havia união e comunhão, em torno dos que se integravam uns com os outros. Certamente, Tito deve ter ensinado aos irmãos de Creta a importância da comunhão com Deus, com Cristo, com o Espírito Santo e com os irmãos.

5) Assistência social ou ajuda mútua
Os cristãos, em seus primórdios, levavam a comunhão (koinonia) tão a sério que chegaram a tomar atitudes radicais em relação às necessidades. “Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido e o depositavam aos pés dos apóstolos” (At 4.34). Tito, representando Paulo, deve ter orientado os crentes de Creta a respeito desse importante objetivo da igreja local.

6) Organização e administração patrimonial
Nos primeiros séculos do cristianismo, a Igreja nasceu de forma bem simples e desprovida de estrutura física para a acolhida dos irmãos. A princípio, reuniam-se no cenáculo (At 1.13); depois, no alpendre de Salomão (At 5.12); com o passar dos anos, os cristãos reuniam-se no Templo e nas casas de suas famílias (At 5.42; 20.20). Em Creta, provavelmente, a organização das igrejas teve início nas casas, nos lares cristãos.

3. Qualificações dos Bispos ou Presbíteros
Em sua carta a Tito, Paulo indica as qualificações para o presbitério (ou episcopado) idênticas às que constam em 1 Timóteo 3.1-7. Em seguida, mostra que “o bispo”, o mesmo que presbítero no texto (Tt 1.5) deve ser pessoa íntegra, irrepreensível, “como despenseiro da casa de Deus” (Tt 1.7a). Outras qualidades morais são requeridas para quem deseja o presbitério ou o episcopado (1Tm 3.1), como humildade, “não soberbo”; mansidão, “não iracundo”; sobriedade em relação ao uso do vinho, evitando exceder-se nesse aspecto, para que não perca seu equilíbrio e cause escândalo à igreja do Senhor. Exige-se, também, que o presbítero, ou bispo, seja pessoa educada, equilibrada emocionalmente e não seja “espancador” de ninguém (Tt 1.7).
No mesmo trecho da carta, Paulo determina que o presbítero ou bispo não seja “nem cobiçoso de torpe ganância”. Ou seja: não seja amante e cobiçoso de dinheiro.

Completando a lista virtuosa de qualificações ministeriais, Paulo diz que o presbítero, bispo ou pastor deve ser obreiro “dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante” (Tt 1.8). Para ter essas qualificações, é necessário que o líder seja acolhedor, não irascível, não neurastênico, não mal educado, que não sabe receber ou tratar as pessoas. Deve ser benigno, possuidor de equilíbrio emocional (moderado), tenha uma vida justa, seja santo em toda a maneira de viver (1Pe 1.15), viva em santificação (Hb 12.14) e demonstre equilíbrio em tudo, na prática do fruto da temperança. Leia também O Ministério Pastoral

II - O OBREIRO DEVE PROTEGER O POVO DE DEUS
1. Crentes Problemáticos
Após discriminar as qualificações necessárias ao presbítero, Paulo ressalta o respeito que deve ter à doutrina e a capacidade e autoridade ministerial para argumentar contra os contradizentes (Tt 1.9,10).
Na igreja de Creta, uma ilha tão pequena,2 de apenas 250 quilômetros de extensão por 11 a 56 de largura, a comunidade cristã não deveria ter mais que algumas dezenas ou poucas centenas de cristãos. Mas, no meio deles, surgiram os “complicados” e “contradizentes”, “faladores”. Tipos não raros em igrejas nos tempos presentes. Mas o apóstolo indicou a maneira de tratá-los.

2. Como Tratar os Desordenados
Aos contradizentes e desordenados, desobedientes ao ensino da Palavra de Deus, Paulo demonstra não ter nenhuma contemplação com os mesmos, pois são perigosos, não só para a igreja local, mas para as famílias cristãs, e devem ser detidos, tapando lhes a boca, ou seja, com argumentação, admoestação e repreensão à altura: “aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância” (Tt 1.11). O fato de tais falsos crentes terem espaço para transtornar “casas inteiras” se devia à realidade das igrejas cristãs em seus primórdios. Elas funcionavam, em grande parte, nas residências dos convertidos (Rm 16.5; 1 Co 16.19; Cl 4.15).

Além de faladores ou murmuradores, os falsos crentes ensinavam coisas inconvenientes, visando obter algum proveito pessoal; eram gananciosos. Os obreiros que lideram, presbíteros, bispos ou pastores, precisam ter autoridade espiritual, moral e pastoral para afastar os fiéis em Cristo do assédio dessa gente a serviço do Diabo. Além de desordenados, eles são “faladores” ou murmuradores. Certo pastor chamava esse tipo de crente de “línguas de gravata”.3

Há quem queira fazer-se de “bonzinho” e “cheio de amor” no trato com os contradizentes e inimigos da liderança. Mas a Bíblia, manual da Igreja por excelência, mostra que, mesmo com amor, deve haver firmeza e determinação, no trato com os desordeiros. Paulo manda que se deve tapar a boca dos tais; devem ser admoestados, ou advertidos, censurados, repreendidos. Completando a exortação acerca dos desordeiros, Paulo recorre à palavra de um profeta cretense a respeito deles e diz que os tais devem ser repreendidos “severamente”: “Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé” (Tt 1.12,13).

3. Não Dar Ouvidos a Ensinos Falsos
Não era fácil a missão de Tito. Ele, na condição de “missionário supervisor”, estabelecendo igrejas “de cidade em cidade”, ainda tinha que ministrar a palavra de edificação e advertência contra os falsos cristãos; deveria repreendê-los de modo veemente, “não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade” (Tt 1.14). Isso mostra que os falsos mestres e os falsos cristãos eram homens que queriam manter os novos convertidos sujeitos ao judaísmo e comportavam-se como se fossem formuladores de doutrinas com seus mandamentos espúrios.

III - A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS
1. Tudo É Puro para os Puros
Nesta seção da carta a Tito, Paulo faz declaração que tem sido mal entendida por muitos que leem a epístola. Ele diz que “todas as coisas são puras para os puros” (Tt 1.15a). Separamos o versículo para melhor entendimento. Já ouvimos alguém, de má fé e péssima intenção, querer interpretar esse versículo ensinando que, se a pessoa é pura, pode fazer o que bem quiser, pois “tudo é puro” para ela. Mas a Bíblia explica a si mesma. Para o puro, ou santo, todas as coisas são puras, porque são “santos em toda a maneira de viver” (1Pe 1.5); buscam “a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14); são santificados em tudo e todo “espírito, alma e corpo” são “conservados plenamente irrepreensíveis para a vinda do Senhor” (1Ts 5.23).

2. Nada É Puro para os Contaminados
“[...] mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes, o seu entendimento e consciência estão contaminados” (Tt 1.15). No contexto da carta e no fundo histórico de sua época, decerto Paulo tinha em mente os ensinos falsos dos gnósticos, que apregoavam muitos ensinos sobre alimentos, vida íntima, sexualidade e outros temas, os quais consideravam coisas impuras. Para eles, tudo o que fosse material era reprovável, “impuro”. De fato, para os “contaminados e infiéis”, que viviam cheios de malícia, maldade e torpeza, em seus corações corrompidos, tudo o que eles pensavam e praticavam eram de má natureza.
Eles apregoavam que para o crente ser puro deveria abster-se de relações sexuais. Tal generalização contrariava a Palavra de Deus, no que respeita ao sexo conjugal, pois é mandamento de Deus que, através do sexo, o esposo se faça “uma só carne” com sua esposa (Gn 2.24; Mt 19.6). Muitos defendiam o vegetarianismo pleno, como os “veganos”, ou “frugívoros”, que não se apropriam de nada de origem animal, para não se contaminarem. Tais dietas podem ser saudáveis, mas não podem ser exigidas como mandamento bíblico de forma alguma (ver Lv 11). Mas o motivo pelo qual “nada é puro para os contaminados” é porque “confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda boa obra” (Tt 1.16). Ou seja: são hipócritas e maliciosos. Dizem uma coisa e fazem outra.


CONCLUSÃO
Uma igreja local, pequena, média ou grande, é um universo humano, pleno de grande variedade de circunstâncias e realidades que envolvem os mais diferentes tipos de pessoas. Nela, há o “joio”, ou falsos crentes, e “o trigo”, os crentes fiéis, sinceros e santos, cujos nomes estão inscritos no “livro da vida do Cordeiro”. E na igreja local que se desenvolvem ministérios, dons e talentos, a serviço do Reino de Deus, ou contrários a ele. E na igreja local que a Igreja Universal, “coluna e firmeza da verdade” (1Tm 3.15), se torna visível. Sua administração requer a observância de preceitos e diretrizes, emanadas da Palavra de Deus, o maior e melhor “Manual de Administração Eclesiástica”. Por isso, Paulo escreveu três cartas pastorais, visando ao estabelecimento, à organização e ao crescimento sadio da Igreja do Senhor Jesus.

Notas
1 Elinaldo Renovato DE LIMA. Dons espirituais e ministeriais, p. 130.
2 Russel Norman CHAMPLIN. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. Vol.5, p. 417.
3 Eles não precisavam usar gravatas. A língua seria tão grande que cumpria esse papel.

Fonte:
A Igreja e o seu Testemunho - As ordenanças de Cristo nas Cartas Pastorais
As Ordenanças de Cristo nas Cartas Pastorais - Elinaldo Renovato de Lima (livro de Apoio)
Revista Ensinador Cristão - CPAD - nº63
Dicionário Bíblico Wycliffe CPAD 
Bíblia de Estudo Pentecostal
Bíblia Defesa da Fé

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O comentário será postado assim que o autor der a aprovação.

Respeitando a liberdade de expressão e a valorização de quem expressa o seu pensamento, todas as participações no espaço reservado aos comentários deverão conter a identificação do autor do comentário.

Não serão liberados comentários, mesmo identificados, que contenham palavrões, calunias, digitações ofensivas e pejorativas, com falsidade ideológica e os que agridam a privacidade familiar.

Comentários anônimos:
Embora haja a aceitação de digitação do comentário anônimo, isso não significa que será publicado.
O administrador do blog prioriza os comentários identificados.
Os comentários anônimos passarão por criteriosa analise e, poderão ou não serem publicados.

Comentários suspeitos e/ou "spam" serão excluídos automaticamente.

Obrigado!
" Aqui eu Aprendi! "

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...