Membros / Amigos

Conheça mais de nossas Postagens

Research - Digite uma palavra ou assunto e Pesquise aqui no Blog

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

A Organização da Igreja

Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue” At 20.28

“Por que a igreja deve se caracterizar pelos pontos distintivos de santidade, de união e de amor?

Para explicar de forma simples, o caráter da igreja deve refletir o caráter de Deus. Devemos ser santos, unidos e amorosos, porque Deus é Santo, é um e é Amoroso. Paulo diz aos coríntios: ‘Sede meus imitadores, como também eu, de Cristo’ (1Co 11.1). Deus pretende expor seu próprio reflexo na igreja. Em geral, observamos isso no capítulo 1 e 2. O evangelho da igreja é a sabedoria de Deus, não a sabedoria do mundo (1Co 1.17-2.16). Paulo escreve: ‘Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus’ (2.12). E escreve alguns versículos adiante: ‘Nós temos a mente de Cristo’ (2.16b). Em suma, a obra transformadora do evangelho na vida da Igreja concede-lhe a mente de Cristo e a torna mais semelhante a Deus que ao mundo. E o reflexo dEle na Igreja — por meio da proclamação e da vida santa, unida e amorosa — é a exata matéria do testemunho da Igreja. Conforme examinamos cada uma dessas características, observamos que seu fim último não é melhorar a saúde moral da sociedade, embora isso possa ser um subproduto, mas refletir a Deus” (DEVER, Mark. A Mensagem do Novo Testamento. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.187)

A Igreja do Senhor Jesus precisa de líderes que a conduzam de forma bíblica, organizada e agradável a Deus.

Leitura Bíblica: Tito 1.1-9

1 — Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, segundo a fé dos eleitos de Deus e o conhecimento da verdade, que é segundo a piedade,
2 — em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos,
3 — mas, a seu tempo, manifestou a sua palavra pela pregação que me foi confiada segundo o mandamento de Deus, nosso Salvador,
4 — a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador.
5 — Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei:
6 — aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes.
7 — Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância;
8 — mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante,
9 — retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes.

INTRODUÇÃO

Nesta lição, veremos a importância de se ter pessoas na igreja que a organizem, liderem e a mantenham dentro dos parâmetros esperados por Deus. Também aprenderemos sobre os três modelos de governo eclesiástico e veremos quais são os tipos de obreiros mencionados no Novo Testamento, que ajudam a organização e direção da igreja.

I. A NECESSIDADE DE LIDERANÇAS NA IGREJA

1. Por que precisamos de organização nas igrejas?
Toda instituição precisa ser organizada, e o mesmo ocorre com a igreja local. Uma igreja deve ser organizada para receber bem seus membros e visitantes, ter pessoas responsáveis atuando nos diversos ministérios e departamentos, checar se o santuário está aberto e em condições de receber pessoas para os momentos de culto e orações. Entretanto, mais do que os aspectos citados, a igreja precisa ser organizada, porque isso agrada a Deus. O Senhor tem planos e Ele anuncia seus planos aos seus filhos fazendo com que sejam realizados, e isso é organização. Se Deus preza por organização, não poderíamos imaginar que a sua Igreja deveria seguir um padrão diferente. Uma igreja desorganizada não reflete a perfeição do Evangelho.

2. Direção.
A Igreja do Senhor precisa ter dirigentes que a conduzam e apascentem. Atos 20.28 fala que Paulo rogou aos anciãos de Éfeso: “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue”. Já na Igreja Primitiva havia a consciência de que a liderança das igrejas locais deveria ser exercida por homens que entendessem que a Igreja de Cristo foi fruto do amor de Cristo, demonstrado no alto preço que pagou por todos nós que o recebemos como Salvador.

3. Dar ordem aos trabalhos.
E para quem pensa que não precisamos de organização em nossas igrejas, é preciso deixar claro que desde a Criação, Deus nos deu um exemplo de como todas as coisas devem ser ordenadas e organizadas. Ele primeiro fez e organizou o mundo em que o homem viveria, para depois criar o homem e colocá-lo na Terra. Imagine se Ele decidisse fazer o processo inverso, criando o homem primeiro para, depois, ir acomodando toda a criação em seu devido lugar...

Organização na igreja é algo tão necessário quanto a pregação da Palavra de Deus e o seu ensino.

II. FORMAS DE GOVERNO NA IGREJA

A Igreja Cristã possui hoje pelo menos três modelos de governo, ou seja, formas como deve ser gerida.

1. Episcopal.
Esse modelo de governo eclesiástico é o mais comum. Ele se baseia na liderança de um ministro, que toma as decisões na congregação. Esse modelo deriva da palavra episkopos, que significa “supervisor”, alguém que observa de uma posição superior (a preposição epi, sobre, e o verbo skopeuo, que significa examinar), onde o pastor tem a autoridade sobre os componentes do ministério e sobre a congregação. Por estar esse modelo de governo sob a responsabilidade de um líder, é notório que, nele, a tomada de decisões seja menos engessada, mais ágil do que as demais formas de governo. Neste modelo, o pastor é auxiliado por outros obreiros, que cooperam em sua tomada de decisões.

2. Congregacional.
Nesse modelo, a congregação tem a palavra final nas questões relacionadas à gestão e ao culto. O pastor tem a função de pregar a Palavra e ensiná-la, e os demais assuntos são trazidos para a assembleia, e ela decide o que vai ser feito em relação àqueles temas. Uma vez tomada a decisão, todo o grupo acata o que foi decidido.

3. Presbiteral.
Este sistema é marcado pela condução de pessoas eleitas como presbíteros, agrupadas em um “colégio” ou assembleia. O pastor tem a função de pregar e zelar pela doutrina, e os presbíteros administram a congregação nos demais assuntos.

É preciso entender que cada um desses sistemas tem suas funcionalidades, e que há igrejas que se adequam mais a um sistema do que a outro. O que não pode é haver uma igreja local sem um governo que a organize e administre.


Organização na igreja é algo necessário e de extrema importância.

III. OFICIAIS DA IGREJA

1. Bispos e pastores.
O Novo Testamento apresenta os bispos e ministros como sendo os líderes voltados ao exercício da pregação, discipulado, evangelismo e ensino. Eles também tinham o dever de agir trazendo ordem ao culto.

O trabalho pastoral exige muitas responsabilidades e deveres dos pastores. Além de zelar pela coerente pregação da Palavra de Deus, esses ministros devem zelar pelo cuidado do rebanho.

O apóstolo Paulo enumerou algumas características necessárias ao exercício do ministério: o pastor deve ser honesto, marido de uma mulher, sóbrio, apto para ensinar, não pode ser uma pessoa violenta nem avarenta; deve ser moderado e ter um bom testemunho dos que estão fora da igreja (1Tm 3.2-7). Por essas características, podemos observar que Deus exige de seus ministros um alto padrão de qualidade e vida moral para estar diante de uma congregação. A Palavra ainda exige que o pastor não seja neófito, ou seja, uma pessoa sem experiência, não madura (1Tm 3.6). O motivo dessa ordem é para que o pastor, por imaturidade ou falta de experiência, não se torne soberbo e não caia na condenação do Diabo. São muitas, realmente, as exigências para os que aspiram ao santo ministério.

Leia também: O Ministério Pastoral 

2. Presbíteros.
Originalmente, presbíteros eram os chamados anciãos. Por força da experiência de vida, homens de mais idade eram requisitados para auxiliar no exercício da liderança, aconselhamento e na tomada de decisões. O Sinédrio, (gerousia), era composto por setenta anciãos (gerontos; da raiz geron vem a expressão geriatria), pessoas de mais idade.

A palavra grega referente ao Conselho de Presbíteros é presbyterion, ou presbitério, que traz a ideia de um grupo de homens maduros, experimentados.

Leia também: Mestre - cumpre o teu Ministério  

3. Diáconos.
Ser um diácono na igreja primitiva era uma posição de grande honra, e ao mesmo tempo de grande responsabilidade. Atos 6.3 nos fala que os primeiros diáconos deveriam ser homens de boa reputação (boa fama e serem pessoas confiáveis), cheios do Espírito Santo e de sabedoria. Eles deveriam ser reconhecidos como pessoas de caráter ilibado.

Outros requisitos ao diaconato foram acrescentados pelo apóstolo Paulo quando escreveu a Timóteo indicando-lhe, como ser homem de palavra, não ganancioso, marido de uma mulher e ter uma consciência limpa. Os diáconos deveriam cuidar das atribuições relacionadas às questões administrativas e sociais nas igrejas locais, auxiliando, dessa forma, os apóstolos, para que estes estivessem livres para se dedicarem à oração e ao ministério da Palavra.

Em que pese o fato de os diáconos terem uma função mais ligada ao trabalho social, houve diáconos que se destacaram como pregadores. O primeiro mártir, Estêvão, era um diácono a quem Deus usou com sabedoria e operação de milagres (At 6.5,8); Estêvão foi a primeira pessoa que, após a ressurreição do Senhor, viu Jesus, em pé, ao lado de Deus (At 7.56). Felipe, outro diácono, foi usado por Deus na área do evangelismo e milagres em Samaria, evangelizou o eunuco etíope no deserto e teve uma experiência de ser arrebatado daquele lugar para outra localidade (At 8).

Saiba mais: O Diaconato 

Pense!
O Novo Testamento nos mostra os diversos tipos de líderes da igreja e as suas atribuições no funcionamento das igrejas.

Ponto Importante
O respeito às autoridades da igreja sempre foi necessário, seja porque trabalham como servos de Deus e possuem autoridade dada por Deus, seja por sua experiência de vida e serviços junto à igreja local.

CONCLUSÃO
Nesta lição, vimos como é importante a igreja ser organizada e ter líderes que zelem por transmitir as verdades das Sagradas Escrituras por meio da pregação e do ensino, e que ajudem com sua experiência as demais atividades da igreja local.

Fonte:
Lições Bíblicas - 1º trim.2017 - A Igreja de Jesus Cristo - Sua origem, doutrina, ordenanças e destino eterno - Comentarista: Alexandre Coelho - CPAD 

Subsídos para aula:
Aqui eu Aprendi!

Um comentário:

  1. Legal este blog! neste blog também encontrei coisas interessantes
    https://homemdomeio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

O comentário será postado assim que o autor der a aprovação.

Respeitando a liberdade de expressão e a valorização de quem expressa o seu pensamento, todas as participações no espaço reservado aos comentários deverão conter a identificação do autor do comentário.

Não serão liberados comentários, mesmo identificados, que contenham palavrões, calunias, digitações ofensivas e pejorativas, com falsidade ideológica e os que agridam a privacidade familiar.

Comentários anônimos:
Embora haja a aceitação de digitação do comentário anônimo, isso não significa que será publicado.
O administrador do blog prioriza os comentários identificados.
Os comentários anônimos passarão por criteriosa analise e, poderão ou não serem publicados.

Comentários suspeitos e/ou "spam" serão excluídos automaticamente.

Obrigado!
" Aqui eu Aprendi! "

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...